segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Crônicas de Gelo e Fogo - Guerra dos Tronos (Análise)




É injusto comparar George R. R. Martin com Tolkien. Tudo bem, ambos escreveram sobre um cenário fictício medieval, contudo, enquanto o elemento fantástico está escancarado desde o início nos livros do "Senhor dos Anéis", em "Crônicas de Gelo e Fogo", o que está em evidência é outra coisa.

Intrigas políticas, conspirações. Sexo, violência, tabus. Tudo isso imerso num mundo onde a fantasia não é óbvia, está nas entrelinhas. E quando ela é descrita, não parece forçada. Ele organiza a narrativa em capitulos curtos, cada um com o nome do personagem que será explorado naquele momento. Isso dá uma dinâmica interessante à história, mostrando ângulos diferentes do mesmo evento.

Por outro lado, enquanto Tolkien foi extremamente detalhista e descritivo nas ambientações, lentificando certas passagens que poderiam ser mais dinâmicas, George Martin exagera na quantidade de personagens. Isso incomoda (pelo menos me incomodou) a princípio, mas você compreende que cada um ali tem seu papel, mesmo os secundários.

Apesar disso, Martin tem o mérito de criar personagens tão diferentes entre si, com motivações e personalidades variadas. Alguns tão carismáticos e outros tão repugnantes (daqueles que "amamos odiar").
O primeiro livro é altamente recomendável, mas é um caminho sem volta. Quando terminar vai perceber que ele é o inicio da saga de 7 livros, então é bom estar preparado!