sábado, 26 de janeiro de 2013

A VIAGEM


Dirigido pelos irmãos Wachowski (Matrix, V de Vingança) e Tom Tykwer (Corra, Lola, Corra, Perfume: A História de um Assassino), A Viagem (Cloud Atlas) conta seis histórias simultâneas que ocorrem em épocas distintas. Nelas é possível evidenciar semelhanças no enredo, além de personagens ali inseridos conectados de certo modo, mesmo estando em  tempos diferentes.

O filme tem um início que demora para engrenar, jogando peças de um quebra-cabeça confuso, numa colcha de retalhos sem fim. Mesmo após sedimentar cada trama separadamente, o filme não deixa claro seu objetivo: cada história segue independente, apenas mantendo algumas fisionomias recorrentes. Seriam eles antepassados uns dos outros? 

Posteriormente, a mensagem fica clara: todas são histórias sobre a luta pela liberdade. A montagem excepcional traz liga à obra, que é recheada de raccords criativos. Mesmo assim o filme peca por ser muito longo e pela maquiagem muitas vezes artificial. Ter um elenco cheio de estrelas - e reaproveita-lo nas mais diversas tramas - não foi o suficiente para tornar o filme menos cansativo.

Em conjunto, as histórias se complementam, evoluindo para uma mensagem cheia de significado. A união é essencial, principalmente quando se quer lutar por algo tão precioso quanto nossa liberdade. Como diria Raul Seixas: "Sonho que se sonha só é só sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade."